PÉROLAS DA “DEMOCRACIA” RUIPALMEIRENSE



Valci Melo
valcimelo@hotmail.com



Há alguns meses escrevi neste blog que o Poder “Público” de Senador Rui Palmeira, município situado no semiárido alagoano, consegue piorar o que já não é bom. E, pelo que me parece, esta será a principal característica da gestão iniciada em janeiro de 2013.

Não bastasse o fato do município ignorar a necessidade de desenvolver políticas públicas próprias e contextualizadas, superando a condição de mero executor de programas e ações do Governo Federal, até isso os governantes fazem de modo inadequado.

Estamos no sétimo mês do “novo” governo e este, além de ser indiferente às justas reivindicações da população e sucatear seus direitos sociais, resolveu também atacar os direitos civis e políticos, boicotando e coibindo a realização de reuniões públicas voltadas à discussão dos problemas de interesse coletivo.

O fato se deu no último dia 17 de julho, no Povoado Candunda. Buscando cumprir uma das atribuições que lhe compete enquanto ocupante de cargo público, pago pelo povo, o vereador Sandro Rogério agendou com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através de requerimento, uma reunião na Unidade Básica Monsenhor Moisés Vieira dos Anjos para discutir com usuários, trabalhadores do PSF e governo soluções para problemas recorrentes na UBS e no setor de saúde do município. Na véspera do evento (16/07), à tarde, o secretário municipal de saúde enviou um ofício ao referido vereador desmarcando a reunião com a falsa e escandalosa justificativa de que o encontro atrapalharia o funcionamento dos serviços do PSF.

Como já não dava mais tempo desarticular a população – nem o motivo justificava tal medida -, nós, usuários do PSF, reunimo-nos no horário outrora combinado, ocasião em que parte do atendimento já havia cessado, e mesmo com a ausência e proibição do secretário, discutimos as seguintes questões:

1)                           A redução do horário de atendimento do PSF ao período matutino aumentou o tempo de espera por consultas, tumultuou o Posto de Saúde e acabou com o já escasso trabalho de promoção e prevenção.

2)                           Os exames e consultas especializadas foram reduzidos e/ou suspensos devido à indisponibilidade de transporte para o deslocamento dos pacientes, pondo em risco a vida dos usuários;

3)                           A Unidade Básica de Saúde (UBS) tem registrado constante falta de medicamentos e ausência frequente do profissional responsável pela distribuição de remédios na UBS;

4)                           Desde o início do ano os pacientes já perderam duas coletas de exames devido ao não comparecimento dos profissionais responsáveis pelo serviço, o que causa vários tipos de prejuízos e transtornos.

Enquanto discutíamos estas questões para que o vereador Sandro Rogério providenciasse um relatório e protocolasse mais uma vez na SMS, a coordenadora da Atenção Básica chegou ao Posto de Saúde e tentou intimidar o vereador que coordenava a reunião, chamando-o à parte e relembrando ao mesmo que o evento tinha sido proibido e que ele seria responsabilizado por estar tumultuando e atrapalhando os serviços na UBS. Inconformados com essa atitude, nós, usuários, cidadãos ruipalmeirenses, custeadores dos serviços públicos, bloqueamos a saída da Unidade e exigimos ser ouvidos pela coordenadora.

Desta conversa, destacamos o seguinte RECADO direcionado ao governo municipal e à Secretaria Municipal de Saúde, o qual esperamos que seja refletido e levado a sério:

1)     A supracitada reunião além de ser uma atividade de saúde (promoção, controle social), foi previamente agendada e se alguém tumultuou a UBS foi a própria SMS ao tentar boicotá-la com a desarticulação na véspera;

2)     Não se trata de um movimento partidário nem pessoal contra alguém especificamente, mas da exigência do direito social à saúde que está sendo negligenciado;

3)     Quem está tumultuando o serviço público de saúde no município não é a população, e sim, o governo municipal que desrespeita os direitos legalmente constituídos e é insensível aos anseios e necessidades de quem realmente paga a conta: os cidadãos;

4)     A população não está invadindo um espaço alheio, mas sim, fazendo o que sempre deveria ter feito: ocupando o espaço público que ela custeia e a ela pertence;

5)     Ou o secretário agenda urgentemente uma reunião com os usuários para discutir e resolver os problemas do setor ou a população vai acampar na SMS até conseguir falar com ele.
Reunião realizada no Povoado Candunda, em 17/07/2013

A “NOVA” SOCIEDADE: CONVITE AOS INCONFORMADOS




Valci Melo
valcimelo@hotmail.com
 
 
O mundo com o qual sonho
Me faz viver acordado
E militar engajado
Em tudo o que proponho.

Não será um mundo perfeito,
Pois nós o habitaremos.
Mas bem melhor viveremos
Se dermos na base um jeito.

Para tal tem que ser feito
Abalo na estrutura,
Na raiz da vida dura,
Na exploração, no eito.

Revolução! Vida nova!
Reforma é paliativo,
Pois deixa o sistema vivo
E ele sempre se renova.

Vamos mudar de verdade.
Começar pela raiz
Deste sistema infeliz
Que é a propriedade.

Os meios de produção
Não poderão ter senhores
Além dos trabalhadores
Livres da alienação.

Terão fim as opressões.
Sucumbirá o Estado.
E o povo organizado
Tomará as decisões.

A fé e a educação
Serão descontaminadas.
As pessoas respeitadas
Apenas pelo que são.

Classes não existirão.
Nem também desigualdade.
E assim a diversidade
Finalmente terá chão.

Trabalho será prazer,
Pois cada um só fará
Aquilo que lhe agradar
E puder melhor fazer.

Tempo para estudar
E curtir bastante a vida
Será demanda cumprida.
E o povo mais viverá.

Isso não é ilusão.
É projeto em andamento
De transformação por dentro
Que extirpe a exploração.

Por isso chamo você
Que deseja ver mudança
A lutar, entrar na dança,
Contribuir com o fazer.

Não temos nada a perder
Além da exploração
E da alienação
Que podam o nosso viver.

Vem “curtir” a utopia
Da “nova” sociedade,
Esta possibilidade
Que nossa luta irradia.