Vi(n)das e ida


Valci Melo
17 e 21 dez. 2014

Ela me visita várias vezes ao ano.
Às vezes passa rápido como se quisesse apenas dá sinal de que não se esqueceu de mim.
Mas outras vezes ela vem sem pressa...
Mesmo sabendo que não é bem vinda, ela não se incomoda.

Sei que um dia ela não vai mais me visitar.
Mas isso não se dará por que ela finalmente entenderá que não gosto de suas visitas.
Um dia ela não irá mais me visitar por que (in)felizmente - e definitivamente - partirei com ela. 


LIMITES DA BOA VONTADE



Valci Melo
05 fev., 30 abr. e 27 de maio 2014
valcimelo@hotmail.com


Não basta criticar a ordem.

Não basta ser seu oponente.

Não basta porque a desordem

Requer algo mais imponente.



Requer não se iludir com a poda...

Saber distinguir bem o fruto...

Cortar o mal pela raiz.



Requer fazer girar a roda

Mesmo que do seu usufruto

Sejamos só um aprendiz.



Não basta ter boa vontade.

Não basta querer a mudança.

Não basta por que, na verdade,

Na luta é que há esperança.

SINAL VERMELHO



Valci Melo
17 jan. 2014

Você já parou para pensar
Que assim não dá mais para ficar?
Que teremos que muito mudar
Para a vida, enfim, triunfar?

Talvez não
Porque acha ou a situação
Para ti não é só ilusão:
Tens acesso à parte do pão.

Mas, veja bem:
Num sistema que só alguns têm
Vida plena não tem pra ninguém.
Pois os outros precisam também.

Sendo assim,
Se quisermos ter vida, enfim,
Precisamos mudar; dar um fim
Nesta “lógica” que é tão ruim.

Para tal,
É preciso, sim, ser radical
E atacar a raiz deste mal
Que se chama ordem do capital.

Mas atenção:
Isto exige uma transformação.
Reformar é vender ilusão;
Não acaba com a exploração.

E então
Vida plena os seres terão
Se fizermos a revolução
Começar em nossa geração.

ESTAÇÃO DESEQUILÍBRIO



Valci Melo 
05 e 21 fev. 2014 

Sinto o novo penetrando devagar.
A mudança lentamente se infiltrando.
Enquanto isso, agonizo sem parar.
Sinto passar. Sinto voltar.
Estou mudando.

Desistir? Acelerar? Mudar o rumo?
São tantos e tão vagos os pensamentos!
Me seguro para não sair do prumo.
E fazendo do momento um resumo:
A estação desequilíbrio é um tormento.

TEMPO DE TRANSIÇÃO



Valci Melo
02 fev. 2014

O chão, cadê? Onde está?
Falta luz, compreensão.
Os pés flutuam no ar.
É tempo de transição.

O novo incomoda, assusta.
E até desestabiliza.
Mas o que daí resulta
Novamente tranquiliza.

E já não somos os mesmos;
Algo em nós enfim mudou
Até a nova estação.

E assim crescemos “a esmo”.
A vida supera a dor
Do parto, da evolução.

SINTOMAS DO NOVO


Valci Melo
09 jan. e 20 fev. 2014



O novo é simplesmente o novo...
Por não se encontrar ainda em mim, acomodado, é novo.
Mas quando já está dentro de mim
(Quando é de novo)
Deixa de ser novo
- mesmo que me incomode feito um volvo.

O novo me amadurece, embora me angustie.
O novo me desafia, angustia, fortalece.
O novo me arrepia e às vezes me enlouquece.

Por não se encontrar ainda em mim, acomodado,
O novo me encanta ou me espanta, me angustia ou me fascina,
Me entristece ou fortalece.

Por não se encontrar ainda em mim, bem arrumado,
O novo simplesmente me enlouquece,
Enlanguesce, amadurece enquanto "espécie".

Mas quando já está dentro de mim
E mesmo assim me estremece
É porque marca de novo,
Relembrando o que foi novo,
Mas no fundo não é novo.
É um sintoma de outra "espécie".